Um fio escarlate em nossa casa

0
14
title=

A Bíblia menciona um fio escarlate em vários contextos diferentes, desde um parto incomum, passando pelas vestes do sumo-sacerdote, até a conquista de Canaã.

Uma referência ao fio escarlate da Bíblia ocorre durante o nascimento dos filhos gêmeos de Judá e Tamar (Gênesis 38.27–30). Quando Tamar estava dando à luz, o braço de um dos gêmeos, Zerá, alcançou o canal do parto e imediatamente a parteira amarrou um fio escarlate no pulso do bebê para designar Zerá como o primogênito. No entanto, Zerá não foi o primogênito; o braço foi recolhido para o útero e o outro gêmeo, Perez, nasceu primeiro.

No caso de Perez e Zerá, o fio escarlate era para indicar quem deveria ter a prerrogativa e os privilégios da primogenitura. Diante de todas as aparências, Zerá parecia que ia nascer primeiro, mas Deus tinha planos diferentes, e Perez se tornou o primogênito. Na providência de Deus, foi através de Perez que a linhagem do Senhor Jesus Cristo prosseguiu (Mateus 1.3).

Livro All-in

Isaias Huber

Livro Profecia e Cura dos Enfermos

Mathew Helland

Livro Meu Amigo Espírito Santo

Abe Huber

Livro Ofendido Nunca Mais

Abe Huber

A Bíblia também menciona fios escarlates como parte das cortinas do tabernáculo (Êxodo 26.1) e o éfode do sumo sacerdote (Êxodo 28.6), juntamente com fios de ouro, azul e roxo. As Escrituras não comentam o significado dessas cores nas cortinas ou no éfode, mas alguns comentaristas supõem que o ouro, o azul e o roxo prenunciam a glória de Cristo, a origem celestial e a posição real, enquanto o fio escarlate representa a obra expiatória de Cristo na cruz através do derramamento de Seu sangue.

Outra menção significativa ao fio escarlate está em Josué 2. Dois espiões haviam sido enviados a Jericó antes que os israelitas tomassem aquela cidade. Os espiões foram escondidos em Jericó por Raabe, a prostituta, que expressou sua fé no Deus de Israel e protegeu os espiões (Hebreus 11.31). Raabe permitiu que os espiões hebreus escapassem de Jericó, deixando-os descer pela janela por meio de uma corda feita de fio escarlate. Ao partirem, os espias disseram a Raabe: “Amarre esse cordão escarlate na janela” (Josué 2.18), com a promessa de que ela e sua casa seriam mantidas em segurança na invasão vindoura. Pela fé, Raabe obedeceu: “E ela amarrou o cordão escarlate na janela” (versículo 21).

Mais tarde, quando as muralhas de Jericó caíram e os israelitas tomaram a cidade, Josué ordenou que Raabe e sua família fossem poupados (Josué 6.22–23). A sua casa estava marcada pelo “cordão de fio escarlate”. É fácil achar que a cor corda de Raabe era uma mera coincidência, mas a cor escarlate é significativa. A corda em sua janela era um sinal de sua fé e levou à sua salvação, pois ela não foi destruída com o resto de Jericó. A corda escarlate – a cor do sangue – funcionou para Raabe da mesma maneira que o sangue do cordeiro da Páscoa havia funcionado durante o êxodo: todo lar marcado com sangue foi poupado da morte naquela noite da décima praga (Êxodo 12.13). A misericórdia de Deus e o perdão de Raabe, a prostituta, foram representados por uma corda de fio escarlate, que se torna um símbolo do sangue de Cristo.

Teólogos e estudantes da Bíblia às vezes se referem ao “fio escarlate que percorre toda a Bíblia”. Com isso, eles querem dizer que o tema da Bíblia é Jesus Cristo e Seu sacrifício pela redenção da humanidade. O sangue de Cristo corre por toda a Bíblia, simbolicamente. É visto nos animais mortos no Éden para fornecer roupas para Adão e Eva, no carneiro que tomou o lugar de Isaque no altar de Moriá, no cordeiro pascoal, na instituição do sistema de sacrifícios, na corda escarlate de Raabe e nos milhares de anos de sacrifícios realizados no tabernáculo e no templo. O fio escarlate vai até a declaração de João Batista: “Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo!” (João 1.29) e ao pé da cruz, onde Jesus finalmente diz: “Está consumado” (João 19.30).

“Sem derramamento de sangue, não há perdão” (Hebreus 9.22), e é por isso que o simbolismo do fio escarlate na Bíblia é significativo. O fio escarlate é o tema da expiação encontrado nas páginas das Escrituras.

Manual do Superv. de Células

Jovah Lima

Livro Projeto Natanael Três

Lucio Rodrigo

Livro Discipulado Fácil

Elvis Oliveira

Livro Paternidade Espiritual

Whodson Almeida

No caso da família de Raaba, toda a cidade de Jericó estava fechada, em quarentena, amedrontada. Os israelitas estavam sitiando a cidade e todo o povo estava dentro de suas casas aguardando o pior, impotentes e desesperados. A família de Raabe inteira estava na mesma cidade, passando pela mesma quarentena e isolamento, sujeita às mesmas privações. Mas havia diferenças nessa família: eles tinham uma promessa, eles tinham fé, eles tinham um fio escarlate pendurado na janela. Em outras palavras, o povo de Jericó estava de quarentena e isolado, e ainda assim pereceu. Não basta estar fechados dentro de casa, é preciso ter fé e tomar posse das promessas, e garantir que o fio escarlate, a proteção do sangue de Jesus guarde a nossa vida e a vida dos nossos familiares.

Assim, é preciso mais do que esconder-se, isolar-se, refugiar-se no recôndito das casas. É bom dizer como o salmista: “à sombra das tuas asas me abrigo, até que passem as calamidades” (Salmos 57.1). As calamidades passam, mas a atitude como nos portamos diante delas é fundamental para a nossa caminhada posterior. Elias passou um período recluso numa caverna, e durante esse período ele ouviu barulho forte de vento, terremoto e fogo. Mas foi somente quando ouviu a voz mansa e suave de YHWH que ele saiu do esconderijo e foi recomeçar a vida (I Reis 19.11-13).

E o fio escarlate? Não vamos perdê-lo de vista. Ele deve estar em nossos corações, em nossas mentes, no interior das nossas casas e fora, nas janelas, como testemunho de que ali dentro habita gente temente a Deus, unida, uma família segundo o coração de Deus. Dessa maneira não estaremos apenas reclusos, mas retirados para um propósito e por uma causa maiores do que as nossas adversidades e limitações. O fio escarlate nos garante salvação e livramento!

 

Fonte