A maior canção de Natal

0
36
title=

Isaac Watts (imagem acima) nasceu em 17 de julho de 1674 e morreu em 25 de novembro de 1748, aos 84 anos. Ele foi um compositor de hinos, teólogo e lógico inglês. Um prolífico e famoso compositor de hinos, ele foi reconhecido como o “Pai da Hinologia Inglesa”, com um repertório de cerca de 750 hinos. Muitos de seus hinos permanecem em uso até hoje e foram traduzidos para muitos idiomas.

Isaac Watts era um gênio. Aos quatro anos ele aprendeu latim, aos nove grego, aos 11 francês e aos 13 hebraico antigo. Sua reelaboração poética dos Salmos foi magnífica. Infelizmente para o pobre Isaac, ele não era bonito. Sua única chance de amor veio e se foi com uma jovem chamada Elizabeth Singer, que na verdade se apaixonou por Watts às cegas, apenas pela leitura de seus poemas publicados. Elizabeth ficou tão encantada com este homem que podia escrever com tanta profundidade e paixão que jogou a cautela ao vento e o pediu em casamento por carta.

Livro Discipulado Relacional

Joel Comiskey

Livro Discipulado Um a Um

Abe Huber

Livro O Coração do Bom Pastor

Abe Huber

Livro Lealdade e Deslealdade

Dag Heward-Mills

Mas quando eles finalmente se encontraram, ela voltou atrás. Mais tarde, ela escreveu que Isaac Watts tinha “apenas um metro e meio de altura, rosto achatado, nariz encurvado, maçãs do rosto proeminentes, olhos pequenos e uma cor cadavérica… Admirei a joia, mas não a caixa que a continha”.

Isaac nunca se casou, mas passou o resto de sua vida de solteiro focado na glória de Deus. Em 1719, Watts publicou sua obra poética baseada no Salmo 98 que viria a se tornar o que muitos consideram o maior hino de Natal de todos os tempos: “Joy to the world! The Lord is come”. A mais conhecida versão em português diz: “Vinde, cantai! Jesus nasceu!”

Como aquela “noiva arrependida” quis dizer, a joia interna é mais importante que a caixa que a contém. Ela queria mais da caixa. Que haja em nós a beleza e a preciosidade da graça, da alegria, do favor e das melodias que exaltam o Redentor, o Salvador do mundo! Que nesse Natal ecoe do nosso coração e da nossa alma expressões de louvor e júbilo, mesmo em tempos nebulosos e incertos. E até a nossa “caixa” se tornará formosa, pelo impacto do conteúdo santo!

Fonte