O culto no Novo Testamento

0
512
title=



O culto no Novo Testamento

Texto Básico: Atos 2.42-47

Texto Devocional: Salmo 100.1-5

Versículo-chave: Colossenses 3.16
“Habite ricamente, em vós a palavra de Cristo; instruí-vos e aconselhai-vos mutualmente em toda a sabedoria, louvando a Deus, com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, com gratidão, em vosso coração.”

Alvo da Lição: O aluno avaliará a prática de culto contemporâneo a luz dos princípios do culto no Novo Testamento.

Leia a Bíblia diariamente
S – Mt 5.23-26
T – Ef 5.19-21
Q – Hb 10.24,25
Q – Mt 21.12-27
S – Jo 4.19-26
S – Is 1.11-15
D – 1Co 14.20-25

Não há limites no que se refere a quão longe algumas igrejas avançarão no propósito de se tornarem relevantes e modernas em seus cultos. Qual a verdadeira adoração? Quais os elementos do culto neo-testamentário? Culto é uma questão de forma ou de essência?

A verdadeira adoração sugerida na frase de Jesus à mulher samaritana ( Jo 4.23) envolve tanto o intelecto quanto as emoções e salienta sua centralidade em Deus, não no adorador. Cada aspecto do culto tem de ser agradável a Deus e estar em harmonia com a Sua Palavra. Embora o critério adequado para avaliação do culto seja esse, o culto pode também ser agradável ao adorador.

O que o Novo Testamento tem a nos ensinar?

Assim como no Antigo Testamento, a igreja primitiva continuou olhando para a adoração como uma atividade diária e constante. Atos 2.46 e 47 ensina que culto acontece a todo momento e em todos os lugares, no templo e de casa em casa.

No Novo Testamento encontramos as três dimensões do culto: pessoal, familiar e público. Não é um episódio apenas. Ao terminar a liturgia do templo, deve começar a liturgia da vida.

I. O culto pessoal

Culto não é ritual, melodia, formas, estética, beleza, palavras, cânticos, dogmas, símbolos, ofertas ou qualquer outro detalhe que lhe possamos atribuir. Culto, antes de tudo, é vida em ação. Culto é um ato de resposta à ação bondosa de Deus, que nos chamou com finalidade bem clara: “Por meio de Jesus, pois, ofereçamos a Deus, sempre, sacrifício de louvor, que é o fruto de lábios que confessam o seu nome” (Hb 13.15). Por isto, aquele que se relaciona com Deus deve lembrar que o culto a Deus é o fruto natural (no sentido de normal) da comunhão com Jesus Cristo.

A compreensão do cristão, que cultua a Deus e pratica serviços religiosos, deve estar indissoluvelmente ligada à manutenção de cuidados com os mais necessitados. Isto faz da vida daqueles que servem a Deus expressão e reflexo daquilo que é apregoado e vivenciado pelo cultuante. O cultuante deve fazer para os outros o que crê que Deus faz consigo. Essa é uma afirmação importante de verdadeiro cristianismo, que acaba atribuindo expressão e sinceridade para as ofertas e demais atos de dedicação. Os atos cúlticos são expressões de gratidão por tudo o que Deus proporciona, manifestações de arrependimento pelos atos pecaminosos cometidos, expressões de fé e fidelidade, além de testemunhos eloquentes da busca da vontade de Deus. Isto é gerador de progresso, já que provoca a inclusão daqueles que, outrora excluídos por sua condição, encontram no fiel o cuidado e a proteção.

Assim acontecia na igreja primitiva.

II. O culto em casa

A igreja neo-testamentária estava também assentada sobre os pequenos grupos. Era a igreja de todos os dias, no templo e nas casas.

A palavra grega oikos (casa) ocorre mais de 10 vezes no NT, algumas delas referindo-se a um grupo de pessoas usando uma casa para reunir-se periodicamente.

  • At 2.46: A ceia do Senhor era celebrada em cada casa na sua refeição.
  • At 5.42: A casa do convertido era usada como local de adoração e ensino, identificando-o como cristão na comunidade.
  • At 20.20: Equilíbrio do programa – ensinando tanto na reunião pública quanto nafamiliar.
  • Rm 16.3 e 5: Priscila e Áquila recebiam em sua casa um grupo. A igreja cristã de Roma era composta desses vários grupos nos lares.
  • 1Co 16.19: Quando estavam em Éfeso, Áquila e Priscila também recebiam a igreja em sua casa. Assim vivia a igreja cristã: durante a semana a igreja se reunia nas casas, e no dia do Senhor a reunião ocorria num só local – o templo.

Veja também Colossenses 4.15 e Filemon 2.

III. O culto no templo

Segundo Atos 20.7, entendemos que o primeiro dia da semana era o dia em que a igreja apostólica se reunia para partir o pão – celebrar a ordenança da ceia. Esta ceia era entendida como um ato de comunhão com o Senhor (1Co 10.14-22), era tomada quando toda a congregação se reunia, como um ato de fraternidade entre os irmãos. 1Coríntios 11.17-22 mostra o que NÃO se deve fazer em reuniões como essa.

Ainda na carta aos coríntios, o apóstolo Paulo os instrui a que fizessem suas ofertas, sistematicamente, no primeiro dia da semana, deixando implícito que esse era o dia em que eles deveriam se reunir para adoração (1Co 16.2).

Notemos também que as reuniões regulares da igreja primitiva não visavam a propósitos evangelísticos e, sim, primordialmente, ao encorajamento mútuo e à adoração. Por essa razão, o autor de Hebreus escreve: “Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras. Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vede que o Dia se aproxima”(Hb 10.24-25).

Por serem reuniões públicas, havia ocasiões em que os incrédulos vinham às reuniões dos crentes, mas isto era considerado apenas uma possibilidade (1Co 14.23). O evangelismo, segundo o texto de Atos 2, acontecia no contexto da vida diária, à medida que os crentes propagavam o evangelho.

Uma característica que não estava presente no culto neo-testamentário era o pragmatismo. Uma decisão pragmática é aquela tomada não pela essência, mas pelo efeito causado na maioria do povo. No que diz respeito ao culto, a aplicação desse princípio pode ser desastrosa, pois o juiz passa a ser o grupo de pessoas e não o Espírito Santo.

O culto público é a semelhança mais próxima que podemos ter do céu, enquanto estamos aqui na terra.

IV. Elementos do culto neo-testamentário

 1. Leitura e pregação da Palavra (Cl 3.16; 2Tm 4.2)

A mensagem deve expor e esclarecer um texto bíblico numa linguagem contemporânea e para a realidade do mundo de hoje. Segundo Klaus Douglass, a mensagem tem sete funções:

  1. explicar e esclarecer verdades profundas da fé;
  2. dar orientações sobre como devemos viver e agir como cristãos;
  3. edificar a igreja;
  4. levar pessoas à fé;
  5. fortalecer a fé;
  6. consolar e animar os que estão em dificuldades;
  7. tirar pessoas da sua inércia.

A esta suficiência das Escrituras no culto cristão os reformadores chamaram de princípio regulador do culto, que não deve se preocupar com coisas sem importância.

Na adoração coletiva, a pregação da Palavra é essencial. Em nosso texto-base lemos que as atividades da igreja do Novo Testamento eram centralizadas “na doutrina dos apóstolos, no partir do pão e nas orações”.

Em seu livro Entre dois mundos, John Stott afirmou: “A Palavra e a adoração pertencem indissoluvelmente uma à outra. Toda a adoração é uma resposta inteligente e amável à revelação de Deus, porque é a adoração do seu nome. Portanto, a adoração aceitável é impossível sem a pregação. Pregar é tornar conhecido o nome de Deus, e adorar é louvar o nome do Senhor sobre o qual fomos informados. Ao invés de ser uma intrusão alienígena à adoração, o ler e o pregar a Palavra são realmente indispensáveis à adoração.”

2. Oração (Ef 5.20; 1Tm 2.8; At 2.42)

As orações podem ser de adoração, invocação, confissão, petição, agradecimento, intercessão, etc. e devem ser dirigidas a Deus.

3. Hinos e cânticos espirituais (Cl 3.16; Hb 13.15)

A música pode, às vezes, nos comover pela beleza da melodia, mas esse sentimento, por si só, não é adoração. A música deve ter verdades bíblicas contidas em suas linhas para que seja um recurso legítimo e fomente a verdadeira adoração. A música:

  • expressa nossa relação com Deus (Hb 13.15);
  • deve caracterizar nossa comunhão com os irmãos e contribuir como veículo de proclamação da verdade de Deus (Ef 5.19; Cl 3.16).

4. Serviço mútuo (At 2.45; Cl 3.16)

Essencialmente, na Bíblia, culto é serviço, algo que fazemos para outros. Primeiramente, o culto cristão é um ato divino. Respondemos ao favor de Deus concedido a nós, Seus filhos. Ele veio ao nosso encontro, chamou-nos, aceitou-nos, deu-nos o Seu perdão e nos trouxe à Sua presença. À medida que, corretamente motivados, servimos o nosso próximo, estamos servindo a Deus.

Conclusão

Nós, que em resposta à ação bondosa de Deus amamos a Cristo e cremos na suficiência da Sua Palavra, não podemos moldar nossa adoração aos estilos e preferências de um mundo escravo do pecado e de suas paixões. Nosso objetivo principal deve ser adorar em espírito e em verdade. Para isto, as Escrituras precisam regular o nosso culto, a nossa adoração. Tudo em nossos cultos deve conduzir o adorador a um conhecimento mais profundo de Deus.

Como afirma Augustus Nicodemos Lopes, “é importante reconhecer… que o Espírito age principalmente a favor dos interesses de Cristo, visando glorificá-Lo e exaltá-Lo. Esse princípio aplica-se também ao culto cristão. Esse princípio litúrgico precisa ser resgatado: o culto é voltado para Deus. É teocêntrico – e nisso, cristocêntrico, não antropocêntrico. Nada mais deve ocupar o lugar de Cristo no culto.”

Aplicação

“Onde brilha o Sol da Justiça, não há lugar para o brilho de outras estrelas.”

>> Autor do Estudo: Pr. Silas Arbolato da Cunha

>> Publicado originalmente pela Editora Cristã Evangélica, usado com permissão.



Source link

DEIXE UMA RESPOSTA