Diante dos seus olhos

0
33
title=

O rei Davi tinha um poder tão absoluto que poderia ter o que contemplassem os seus olhos e desejasse a sua alma.Se lhe agradasse um campo, ou uma virgem, ou qualquer outra coisa, poderia requisitar tudo o que quisesse em nome do reino, com a bênção de Deus, e ninguém ousaria contrariá-lo (I Samuel 12.8). Davi tinha este elevado padrão moral a guiar-lhe os procedimentos: “Não porei coisa injusta diante dos meus olhos; aborreço o proceder dos que se desviam; nada disto se me pegará” (Salmo 101.3).

Todavia, esse mesmo Davi foi testado, quando deu a maior escorregada moral de sua vida, exatamente quando se permitiu olhar lascivamente para uma bela mulher que tomava banho num córrego perto do palácio real. Até hoje, fala-se muito sobre o adultério de Davi com Bate-Seba, e essa mancha jamais se apagará de sua biografia, apesar dos grandes feitos de toda uma vida. Tudo começou com um olhar, em colocar diante dos olhos a “coisa injusta”, ao contrário do que se comprometera evitar a todo custo.

Alípio era um teórico da música do quarto século, que havia se comprometido a viver uma vida digna. O escritor J. N. Norton conta que Alípio era sempre convidado por seus vizinhos a assistir aos combates de gladiadores, mas se recusava terminantemente, pois detestava a brutalidade desses programas bárbaros. Um dia, no entanto, conseguiram coagi-lo a ir. Como Alípio estava determinado a não assistir ao espetáculo sangrento, fechou bem os olhos e nada quis ver. Mas um grito cortante o fez dar uma olhadinha na hora em que um dos lutadores estava sendo ferido mortalmente. O que ocorreu com ele a partir daquele momento foi emblemático. Com a sua sensibilidade embotada, Alípio juntou a sua voz aos gritos e exclamações da multidão barulhenta que o cercava.

Daquele momento em diante, ele passou a ser um homem mudado – mas mudado para pior; não apenas se tornou assíduo frequentador desse esporte, mas passou também a instar com outros a fazerem o mesmo. A lição que Norton destaca é que, apesar de Alípio ter entrado na arena contra a sua vontade, a exposição ao mal mostra o que pode acontecer com as melhores pessoas ao sentirem o gostinho pelo prazer destrutivo. Antes de o perceberem, já estão escravizados a ele.

Assim, cuidado com o que você coloca diante dos seus olhos. Cuidado com o que assiste. Pergunte a si próprio – e procure responder com sinceridade – se a sua sala de estar é local de assassinatos diários. Verifique se você tem recebido costumeiramente convidados que xingam você e fazem piadas sobre a sua fé. Já aconteceu de alguém aparecer em sua casa e tentar convencê-lo de que o pecado sexual é uma piada, que traição é algo normal, e que a violência é uma forma de entretenimento?

Se você geralmente passa algumas horas por dia diante da televisão, ou navegando pelos porões da internet, então tudo isso certamente já lhe aconteceu. Embora não seja nenhuma novidade, o conteúdo moral da televisão, assim como da internet, tem decaído constante e rapidamente nos últimos anos. A boa notícia é que nós não temos que cair junto.

No Brasil, tem sido debatido se a regulamentação de horários de programação televisiva deve ser restrita aos próprios meios de comunicação, ou se a tarefa deve ser efetivada pelo governo. Mas isso não importa. O fato é que a maior parte do mundo do entretenimento fala muito sério sobre retirar todas as restrições. Tão seriamente que parece só nos restar o desafio de procurar proteger as nossas mentes.

Antes de ser rei, Davi fora pastor de ovelhas. Ele sabia tanto sobre televisão quanto a maioria de nós sabe a respeito de cuidar de ovelhas. A despeito de si mesmo e de seus defeitos, ele fez a opção que todos deveríamos fazer: “Não porei coisa injusta diante dos meus olhos”.

Um salmista anônimo preferiu pedir ao Senhor que o ajudasse nisso: “Desvie os meus olhos de olharem para coisas sem valor” (Salmo 119.37). O patriarca Jó, prezando a fidelidade conjugal, disse: “Fiz aliança com meus olhos; como, pois, os fixaria eu numa donzela?” (Jó 31.1). O apóstolo Paulo orientou o jovem Timóteo para fugir do mal, ou seja, cortá-lo pela raiz (II Timóteo 2.22). Todos eles sabiam que substituir desejos maus pela busca das coisas justas de Deus é a melhor maneira de evitar problemas.

A maioria das pessoas não se importa com as sementes malignas que diuturnamente o inimigo de nossas almas tem semeado em suas mentes e corações. Mas há aqueles que se importam em seguir as orientações bíblicas, que certamente lhes ajudarão a guardar suas mentes e corações puros para Deus.

Portanto, procure fugir de piadas sobre sexo e também não se permita a ouvir linguagem vulgar (I Coríntios 6.18; Efésios 5.3,4,12). Não permita que as propagandas lhe excitem a cobiça (Êxodo 20.17; Colossenses 3.5). Decida-se a não deixar que seus olhos lhe façam pecar (Mateus 18.9).

Acima de tudo, devemos ter cuidado com o que colocamos diante dos nossos olhos, pois isso tem o potencial de abençoar ou destruir a nossa vida. Mas a decisão cabe a cada um de nós.

 

Fonte

DEIXE UMA RESPOSTA